segunda-feira, 17 de junho de 2013

A época quase perfeita II

Portugal, 17 de Junho de 2013

Na continuação do tema, tentei explicar no texto anterior porque razão os erros do treinador não podem ser tão esmiuçados e univocamente relacionados com a causa das três derrotas nas provas que nos podiam ter dado a época perfeita. 

Aceito que o futebol é paixão e ilusão, e que a análise dos adeptos – formatados ou não pela comunicação social – muitas vezes vê os maiores defeitos naqueles que mais idolatram e aplaudem: treinadores e jogadores. Por isso compreendo que existam criticas contra o treinador por alguns maus resultados embora sejam criticas injustas e incorrectas, como tento demonstrar. Mais não fosse porque a existir um treinador que tivesse solucionado bem o jogo com o Estoril, ou o jogo com o Guimarães, quem pode dar garantias que esse treinador teria chegado ao mesmo jogo com o Estoril com possibilidade de ser campeão, ou que conseguisse ter chegado à final da Taça? 

Criticar porque faltou algo, esquecendo de valorizar o que se conseguiu alcançar, não me parece um raciocínio inteligente pois conduz à mudança sem garantias de sucesso. Ter garantias que o novo treinador não vai errar como supostamente errou Jesus, não é garantia de que o Benfica vai ganhar como tem ganho com Jesus. E para conquistar títulos é preciso ganhar jogos.

Como já referi noutros textos, nas análises sou pouco dado a paixões e mais dado a reflexões com fundamento rigoroso. Por isso costumo estar do lado oposto à paixão, na abordagem aos problemas do futebol do Benfica.
Porque há de facto, dois outros problemas, estes de natureza claramente objectiva: os erros da arbitragem e os erros da gestão da Direcção. Uns e outros, com implicações distintas, tiveram mais responsabilidades na “época quase perfeita” do que propriamente algumas decisões do treinador menos consensuais.

A arbitragem ao contrário dos treinadores, tem regras objectivas para serem cumpridas, que são as denominadas leis de jogo. Estão no sítio da Liga Portuguesa de Futebol Profissional e estão ao alcance de qualquer um. A aplicação das leis de jogo depende da qualidade dos árbitros, da sua disponibilidade física para acompanhar de perto as jogadas e assim terem percepção correcta dos lances, bem como da sua disponibilidade intelectual para saberem interpretar os lances com correcção após um único visionamento dos mesmos. 

Ser árbitro não é fácil. Esperar arbitragens com erros zero é uma utopia. O que se espera é que os árbitros errem de igual modo para todas as equipas e isso manifesta e objectivamente não acontece! Para quem está atento aos jogos do Benfica e do principal rival, FCP, conclui que há um manual de arbitragem, que o líder da Comissão de Arbitragem gere a seu bel-prazer, de acordo com os resultados e os interesses em causa. Árbitro que erre de forma grosseira contra o Benfica, continua a arbitrar com mais ou menos jogos de suspensão, a maior parte das vezes para o protegerem para outras “encomendas” futuras. Árbitro que tenha um deslize, nem que seja mediático (caso Capela), a favor do Benfica, tem garantido uns jogos de suspensão, em maior ou menor número, conforme o erro seja mais mediático ou mais grosseiro. Na inversa, árbitro que erre de forma grosseira em benefício do FCP, é protegido e continua a arbitrar jogos. “Árbitros que errem contra o FCP” é cenário que não posso caracterizar, porque isso não aconteceu ao longo da época. E não foi por acaso...

Quando se perde um campeonato por 1 ponto, para mim é óbvio que temos de procurar na arbitragem as razões do insucesso, e só depois, caso se conclua que a arbitragem errou de forma aleatória, seja na natureza dos erros seja na diversidade de oponentes beneficiados, só nessa hipótese devemos partir para causas internas. O que não foi o caso. O FCP, uma vez mais, beneficiou de vários lances de grandes penalidades perdoadas, por lances de braço na bola: Gil Vicente, Moreirense, Braga, Setúbal, etc., quando em situações de jogo adversas, com 0-0 ou 1-0 a seu favor, Tal como no ano de Villas-Boas, onde aí o infractor era geralmente Rolando (Guimarães, Nacional da Madeira, etc.). O FCP beneficiou uma vez mais de critério disciplinar largo em particular nos jogos difíceis, como na 1ª volta na Luz, ao passo que o Benfica teve regra geral critério disciplinar curto, como atesta a expulsão de André Gomes no jogo com o Olhanense na Luz, pelo mesmo árbitro João Ferreira que não teve igual critério cm Fernando no jogo do Benfica – FCP. O FCP teve 1 fora de jogo mal assinalado (!) em 30 jogos, na Luz, 1º mn, enquanto o Benfica teve mais de uma dezena. O FCP não sofreu golos em fora de jogo, enquanto o Benfica sofreu. O FCP marca golos em fora de jogo. O Benfica não.

Quem pensa que este tipo de erros de arbitragem, são aleatórios e uma simples consequência do “errar é humano”, ou é uma pessoa distraída, ou é bem intencionada, ou é um otário por completo.

Sobram por fim, os erros de gestão. Para não ser maçudo e não ser acusado de estar sempre contra o Sr.º Vieira, deixo o tema para outra altura. Foram cometidos vários erros, objectivamente falando, sendo o mais evidente e recorrente, a falta de estratégia para a arbitragem e defesa dos superiores interesses do Benfica. A recorrência desta falta de estratégia faz-me pensar que é uma opção deliberada. Voltarei ao tema.

Para já espero ter conseguido passar uma outra mensagem sobre a responsabilidade do treinador no inêxito desta época, quando podia ter sido uma época de ouro. Bastava ter ganho as duas provas nacionais, o que teria acontecido, e com larga vantagem, se a arbitragem fosse correcta e não estivesse ao serviço do clube ali de baixo (para um transmontano, é assim).

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. gervasio, aliás Joseph Lemos, não me esqueço de ti. Todos os dias tenho de vir aqui logo de manhã, limpar a "fralda". É como os bebés, percebes? Durante a noite esvaziam a tripa e os pais têm de limpar... é mais ou menos o que se passa aqui. Até um dia destes...

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar