terça-feira, 27 de agosto de 2013

Só quando o árbitro apita...



Portugal, 27 de Agosto de 2013

Finalmente um motivo para celebrar: a vitória dificílima sobre o Gil Vicente, obtida apenas no mn 92 e 93m quando tudo parecia perdido. E a mim em particular me incomodava, porque sou crente nas capacidades e competência de Jesus e sei como funciona o Benfica, a pressão dos “midia” e dos adeptos.
Não sei se já se escreveu tudo sobre este jogo, mas quero dar mais alguns contributos a esta vitória.

1)     Mais uma vez foi evidente a dificuldade que o Benfica tem para marcar golos, situação perceptível desde a pré temporada. A ausência de um jogador fixo, do tal falso-lento que tanto irrita muitos jornalistas, e por tabela os adeptos, e por tabela os dirigentes, é a principal – se não única – explicação para esta situação. Já aqui o escrevi várias vezes, sendo 13 de Agosto a primeira vez que o fiz: Lima ou Rodrigo sem o contributo de Cardozo não marcam nem metade dos golos da época passada. 

2)     Caso houvesse dúvidas, o lance do 2 º golo explica. Luisão foi à frente, funcionando como um avançado, segurou os dois centrais e permitiu com essa movimentação um pequeno espaço para Lima poder entrar. E fazer golo. Não perceber isto é não perceber nada.

3)     E nem repararam que na época passada foi igual. Cardozo não jogou contra a Académica e apenas ganhamos ao mn 92, com 1 penalty (dentro da área e onde houve mesmo falta). Mas os jogos europeus com Spartak fora, e em casa (Cardozo entrou a tempo de “matar” o jogo), podiam elucidar as “anedotas” que pensam o futebol do Benfica. 

4)     Apesar de terem sido os 3 jogadores sérvios que estiveram nos golos, na realidade também foi com eles em campo que o Gil marcou. Claro que me podem dizer que foi Maxi quem falhou, mas esta forma de ver é errada e desfasada da realidade. Maxi foi de facto o último a falhar, mas alguém falhou antes na pressão sobre o jogador do Gil que tinha a bola e que fez o passe/remate para a zona de Maxi. Quem foi? Obviamente foi quem estava na ala esquerda: Markovic ou Djuricic, pois era a zona deles.

5)     Repito, para que não restem dúvidas, que vejo muita qualidade nos referidos jogadores sérvios, mas apenas quando têm a bola nos pés. Sem bola, não sabem defender e o tempo que levam no Benfica ainda não os fez perceber que em Portugal o nosso jogo exige mais polivalência a cada jogador. Ora temos defesas que atacam, ora temos atacantes que defendem. Sálvio já faz isso muito bem, Ola Jonh a espaços também, com antes deles, Nolito e Bruno César faziam também. Mas nas 3 recentes contratações sérvias não vejo nada. E já ando a não ver nada – defensivamente - há vários jogos.

6)     Uma palavra para Cortez que fez um jogo bestial, quer no que diz respeito aos lances de ataque que produziu, onde chegou a arrancar muitos “bruás” quer quanto aos movimentos defensivos onde não comprometeu.

7)     Podia falar de futebol sem falar de arbitragem? Poder podia, mas não era a mesma coisa. Ora bem. No global acho que o árbitro não errou tendenciosamente, pois errou para ambos os lados nas vertentes técnica e disciplinar. Paulo Batista, tal como antes Lucílio Batista, erraram contra e a favor, sem ver nisso intenção. Mas houve alguns erros, que repito, onde não vi má intenção do árbitro e que podiam ter dado uma volta diferente ao jogo. O fora de jogo tirado a Rodrigo aos 8 mn, em que ficou isolado e podia fazer golo, é um lance infeliz para nós, porque o mesmo assistente deixou passar dois foras de jogo a nosso favor, um que deu o golo mal invalidado a Lima, outro que não deu em nada. As jogadas duras e divididas foram várias e estranhamente, Batista não assinalou falta contra nós sempre que o adversário caía no chão, como é hábito nos árbitros de “manual”. Contudo ao mn 86 teve falha grave pois não viu um corte de braço, fora da área, que iria originar um cartão e um livre perigoso, embora não em posição frontal.

8)     Esta arbitragem foi bastante diferente para melhor do que a que aconteceu na Madeira, onde os erros foram todos para o mesmo lado. Não perceber a “lógica” de funcionamento dos “melhores” árbitros é não perceber porque razão o FCP já leva 2 penaltys inexistentes a seu favor, e nós levamos 1 não assinalado sobre Lima ao mn ... 92.

Para Alvalade não tenho ilusões. Sem Cardozo, com sérvios que não sabem defender, acho que eles nem vão precisar do árbitro para ganhar até porque têm um tipo de futebol criativo, sem jogadores criativos e compacto nos processos defensivos e ofensivos (já agora, sublinho que em 8 jogos para o campeonato, JJ ganhou 7 e perdeu 1 com ajuda de Soares Dias). Contudo acredito sempre até ao mn 99.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar